top of page

Nota FIEPA e CIP: Aterro sanitário do Aurá


Decepção Ambiental


A notícia da reativação do Aterro do Aurá para receber resíduos sólidos urbanos provenientes da Região Metropolitana de Belém é uma mensagem inegável da nossa inabilidade de enfrentar e encontrar soluções para os problemas fundamentais de saúde e qualidade de vida da população. As conclusões levam à certeza mais abrangente de que a gestão de resíduos sólidos urbanos não é uma prioridade na região. Parece que no modelo de gestão compartilhada, a matriz de responsabilidades não foi respeitada.


Encontrar soluções para a gestão de resíduos sólidos significa deixar de destinar recursos à saúde das pessoas, criar oportunidades para cooperativas de catadores, promover a indústria da reciclagem e, sobretudo, devolver dignidade às pessoas que vivem em áreas contaminadas há décadas, utilizadas como locais de armazenamento de resíduos sem qualquer tratamento, como o Aurá e seu entorno.


A falta de priorização dos serviços de saneamento básico em uma cidade demonstra falta de eficiência e inteligência, pois esta carência causa muitos efeitos indesejados na população e, ainda, não se deve desconsiderar que isso também representa um crime ambiental, uma vez que a política nacional em relação aos resíduos sólidos estabeleceu prazos para fechar lixões tão prejudiciais à sociedade e ao meio ambiente e nunca a possibilidade de reativar esses espaços.


Enquanto os estados lutam para encontrar formas de encerrar os seus aterros, a notícia da reabertura do Aurá é inaceitável: é um revés para a política ambiental e um certificado de falência para a sociedade. Ao mesmo tempo que falamos em agenda climática, energia sustentável, cidades inteligentes, não podemos aceitar que a região metropolitana de Belém, importante capital brasileira, situada na porta de entrada do bioma Amazônia e escolhida para sediar a COP 30, não seja capaz de ter soluções eficientes para o tratamento e disposição final de seus resíduos urbanos.


Esperamos que este seja um prenúncio daquilo que não devemos e não podemos aceitar e que, com base nesta triste notícia, possamos mudar a nossa visão sobre os resíduos urbanos, tratando-os não como resíduos, mas como uma oportunidade para o desenvolvimento da sociedade.


Colocamos nossas inteligências e o amor por nossa capital à disposição de nossos dirigentes para encontrarmos uma solução mais palatável para este imbróglio.




bottom of page