top of page

FIEPA debaterá oportunidades em bioeconomia na COP 28, em Dubai

A Federação das Indústrias do Estado do Pará (FIEPA), participará da 28ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP 28), que será realizada de 30 de novembro a 12 de dezembro, em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos. Durante o evento, o presidente da FIEPA, e também, Conselheiro Consultivo do Sindicato da Indústria da Construção do Estado do Pará (Sinduscon-PA) e ex Presidente do Sindicato, Alex Dias Carvalho, será um dos debatedores no painel “Desafios e oportunidades da bioeconomia brasileira”, que discutirá os desafios e as perspectivas para o desenvolvimento de cadeias produtivas baseadas em bioeconomia, considerando as experiências e o potencial do Brasil como país megadiverso. O painel será no dia 04 de dezembro, no estande da Confederação Nacional da Indústria, no auditório do Pavilhão do Brasil.


Segundo o presidente da FIEPA, Alex Carvalho, o painel será uma oportunidade para discutir estratégias que aliem desenvolvimento econômico, conservação ambiental e inclusão social. “Estamos vivendo um momento crucial para o nosso Estado, para o Brasil e para o mundo, onde as questões relacionadas ao respeito às pessoas e ao meio ambiente têm se destacado, sobretudo quando se fala de Amazônia. Por isso, precisamos discutir novos modelos econômicos que priorizem a descarbonização dos processos produtivos para garantir a redução de gases do efeito estufa, e o fomento à bioeconomia, para que seja possível uma maior convergência entre produção, competitividade, inovação, preservação ambiental e desenvolvimento humano”, explica Carvalho.


A bioeconomia será um tema recorrente durante o debate na COP 28. “Na Amazônia, a bioeconomia já é uma realidade e o Pará é referência nessa área. Aqui podemos dar como exemplo, o açaí, que num período de dez anos, teve um aumento de 16.000% em suas exportações, além de diferentes produtos de origem florestal, como o cacau e a castanha-do-Pará. Então, precisamos criar políticas de incentivo à industrialização (beneficiamento e transformação) dos nossos produtos naturais com escalabilidade sustentável e impulsionando o incremento de postos de trabalho, além da agregação de valor às exportações”, reforça Alex Carvalho.


Segundo o presidente da FIEPA, durante a Conferência, a entidade também dialogará sobre a importância do fomento de políticas públicas e investimentos na indústria da Amazônia. “O Pará, como um dos maiores estados da Amazônia, é estratégico nesse cenário e a participação da indústria é fundamental para que o desenvolvimento ocorra de forma sustentável e eficaz para os moradores da região. As transformações atuais, exigem a nossa região e o setor produtivo local sejam protagonistas no debate e na construção de políticas públicas voltadas ao crescimento regional”.


O painel também contará com as participações do presidente da Federação das Indústrias do Estado de Rondônia (FIERO) e do Instituto Amazônia + 21, Marcelo Thomé; do presidente-executivo da Associação Brasileira de Bioinovação, Thiago Falda e do presidente da Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso (FIEMT), Silvio Rangel. A mediação será feita pela paraense Isabela Morbach, vice-presidente do Instituto Bem da Amazônia e Cofundadora e Diretora da CCS Brasil, uma associação sem fins lucrativos criada para promover projetos de Captura e Armazenamento de CO2 no Brasil.


A participação da FIEPA na COP 28 integrará a agenda de ações da CNI que terá uma participação recorde, com a presença de mais de 100 empresários, e pela primeira vez contará com um estande próprio no pavilhão brasileiro, onde será exibido o trabalho que o setor vem fazendo para se tornar cada vez mais sustentável. O espaço 100 m² vai sediar debates, painéis e apresentações de empresas convidadas.

Informações: FIEPA


Comments


bottom of page