BOLETIM ECONÔMICO ABRIL/07

SUMÁRIO:

1. Conjuntura:

Indicador oficial da inflação (IPCA), registra desaceleração em fevereiro/07 em relação a janeiro/07.

 

2. CUB: Desaceleração  do CUB NBR 12.721/99  de -0,25% em fevereiro em relação ao aumento de janeiro (1,41%) coloca a variação do indicador regional abaixo da elevação do INCC (0,21%).

 

3. Nível de Atividades:

Emprego: Saldo do Emprego (Admissão-Desligamentos) no Estado do Pará cresceu 0,47% de fevereiro em relação a janeiro. Estatísticas  da  Construção  mostram uma queda de -0,32%. O período caracteriza-se por redução da atividade, em decorrência da intensificação das chuvas.

 

 

 

           

1. Conjuntura: Redução do IPCA no mês de março (0,37%), frente a variação de fevereiro (0,44%), reflete a desaceleração do impacto do grupo Educação. Região Metropolitana de Belém, registrou a maior variação dos índices regionais.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de março  registrou variação de 0,37%, ante 0,44% em fevereiro. A redução se deve principalmente a desaceleração do  impacto do grupo Educação, que no inicio do ano letivo reflete a típica aplicação de reajustes. Em oposição a desaceleração do grupo Educação, os preços dos alimentos aumentaram 0,98 em março após subirem 0,78% em fevereiro. Os itens alimentação e bebidas foram responsáveis por 54% do IPCA  no mês de março. O açaí se destacou com uma variação de 16,39%.  A menor alta ocorreu na região metropolitana do Rio de Janeiro e  a maior alta ocorreu na região metropolitana de Belém, com forte influencia do açaí. Considerando o trimestre o IPCA acumulou 1,26% e 2,96% nos últimos dozes meses. muito próximo a taxa de 3,02 nos últimos 12 meses imediatamente anteriores.

O IPCA é calculado para nove regiões metropolitanas, além de Goiânia e Brasília. Abrange famílias com rendimento de 1 a 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte,  sendo o principal indicador utilizado pelo Banco Central do Brasil para acompanhar a meta de inflação.

            O INPC – apresentou uma variação de 0,44% em março, pouco acima de fevereiro 0,42%.O acumulado O acumulado do trimestre do ano situou-se em 1,36%, maior que o mesmo período do ano passado (0,88%). Nos últimos doze meses a taxa ficou em 3,30%, também acima do mesmo periodo imediatamente anterior em 12 meses 3,12%

            No INPC do mês de março,   os produtos alimenticios subiram 1,10%, superior aos não alimentícios.. O maior índice regional foi registrado em Belém (1,08%), enquanto que o menor foi o do Rio de Janeiro (0,05%).         O INPC é calculado com base nos rendimentos das famílias de 01 a 06 salários-mínimos e abrange nove regiões metropolitanas do país, além do município de Goiânia e de Brasília. 

. -------O INCC –DI, (Índice Nacional da Construção Civil) indicador da Construção, calculado pela Fundação Getulio Vargas, registrou em fevereiro uma variação de 0,27% ante variação de  0,21% em fevereiro. No ano a variação foi de 0,94% superior ao mesmo periodo de 2006 ( 0,74%) Nos últimos 12 meses a variação foi de 5,25 superior aos 12 meses imediatamente anteriores 5,18%.

            Dos 3 grupos componentes do índice apenas mão-de-obra apresentou acréscimo em sua taxa de variação que avançou de 0,00% em favereiro para 0,36 em março. O acréscimo foi conseqüência do impacto do reajuste salarial, por ocasião da data-base, nas cidades de Salvador e Rio de Janeiro. O índice referente ao grupo materiais desacelerou, passando de 0,33% para 0,18%. O decréscimo teve, como principal influência, a queda nos preços mármore branco/granito (-0,52) e cimento (-0,06).  Grupo serviços passou de 0,78% em fevereiro para 0,26% em março.

            .O IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado),  elevou-se 0,34% em março, acima da variação registrada em fevereiro  0,27%.

            Os  componentes do índice apresentaram aumentos em sua variação. O IPA, registrou alta de 0,33%, ante alta  registrada em fevereiro de 0,21%. A maior parte da variação deveu-se ao comportamento dos bens finais que teve uma alta de 0,21% em fevereiro para 0,63% em março. Os subgrupos produtos alimentícios in natura e combustíveis apresentaram variações diferenciadas sendo o primeiro aumentou de  2,49% para 8,07% e o segundo de 1,63% para -0,63.

             

            No ano a variação foi de 1,11% superior a variação de  0,77%, registrada em igual período de 2006. Nos últimos 12 meses o valor acumulado foi  de 4,26% superior a variação registrada de  3,66%  nos 12 meses imediatamente anteriores.   

 

Tabela1 I
Índices de Preços

  Índices

  Variação

Set/05

Out/05

Nov/05

Dez/05

Jan/06

Fev/06

Mar/06

Abril/06

Maio/06

INCC-DI

Índices

324,164

324,782

325,703

326,915

328,042

328,651

329,320

330,501

3344,867

 

Var%mês

0,24

0,19

0,28

0,37

0,34

0,19

0,20

0,36

1,32

 

Var%ano

5,94

6,15

6,45

6,84

0,34

0,53

0,74

1,10

2,43

 

Var%12m

8,52

7,45

6,99

6,84

6,41

6,14

5.64

5,26

4,47

CUB/PA

Índices

678,40

683,84

684,14

684,50

688,48

700,68

701,17

706,75

707,54

 

Var%mês

2,78

0,80

0,04

0,05

0,58

1,77

0,07

0,80

0,19

 

Var%ano

7,24

6,10

8,15

8,21

0,58

2,36

2,44

3,25

3,37

 

Var%12m

11,93

12,03

11,25

8,21

6,98

8,45

7,94

8,27

9,62

IPCA

Índices

2.493,79

2.512,49

2.526,31

2.535,40

2.550,36

2560,8165

2.571,83

2.577,23

2579,81

 

Var%mês

0,35

0,75

0,55

0,36

0,59

0,41

0,43

0,21

0,10

 

Var%a.a.

3,95

4,73

5,31

5,69

0,59

1,02

1,44

1,65

1,75

 

Var%12m

6,04

6,36

6,22

5,69

338,083

5,51

5,32

4,63

4,23

IGP-M

Índices

331,69

333,6940

335,0330

335,006

338,083

338,1280

337,339

335,921

337,185

 

Var%mês

-0,18

0,60

0,40

-0,01

0,92

0,01

-0,23

-0,42

0,38

 

Var%a.a.

0,19

0,81

1,22

1,21

0,92

0,93

0,70

0,27

0,65

 

Var%12m

2,17

2,38

1,96

1,21

1,17

1,45

0,36

-0,92

0,33

INPC

Índices

2.545,47

2.560,23

2.574,05

2.584,35

2,,594,17

2600,13

2.607,16

2.610

2613

-

Var%mês

0,15

0,58

0,54

0,40

0,38

0,23

0,27

0,12

0,13

-

Var%a.a.

3,47

4,07

4,63

5,05

0,38

0,61

0,88

1,00

1,13

 

Var%12m

4,99

5,42

5,42

5,05

4,85

4,63

4,15

3,34

2,75

 

  Índices

Junho/06

Julho/06

Agosto/06

Setembro/06

Outubro/06

Novembrro/06

Dezembro/06

Janeiro/07

Fevereiro/07

Março/07

INCC-DI

337,892

339,484

340,283

340,670’

341.369

342,1590

343,401

344,943

345,682

346,6170

Var%mês

0,90

0,47

0,24

0,11

0,21

0,23

0,36

0,45

0,21

0,27

Var%a.a.

3,36

3,84

4,09

4,21

4,42

4,66

5,04

0,45

0,66

0,93

Var%12m

5,42

5,00

5,23

5,09

5,11

5,05

5,04

5,15

5,18

5,25

CUB/PA/99

708,54

710,44

725,13

746,06

737,37

765,97

761,34

772,07

770,21

756,71

Var%mês

0,14

0,27

2,07

2,89

-1,16

3,88

-0,06

1,41

-0,25

-1,76

Var%a.a.

3,51

3,79

5,94

8,99

7,72

11,77

11,23

1,41

1,16

-0,61

Var%12m

9,17

8,44

9,85

9,97

7,83

11,83

11,23

12,14

9,92

7,92

IPCA

2.574,39

2.579,28

2.580,57

2.585,99

2.594,52

2.602,56

2.615,05

2.626,56

2.638,12

2.647,8800

Var%mês

-0,21

0,19

0,05

0,21

0,33

0,29

0,48

0,44

0,44

0,37

Var%a.a.

1,.54

1,73

1,78

2,00

2,33

2,65

3,14

0,44

0,88

1,26

Var%12m

4,03

3,97

3,84

3,70

3,26

3,02

3,14

2,98

3,02

2,96

IGP-M

339,712

340,312

341,574

342,5610

344,155

346,746

347,842

349,593

350,524

351,7170

Var%mês

0,75

0,18

0,37

0,29

0,47

0,75

0,32

0,50

0,27

0,34

Var%a.a.

1,40

1,58

1,96

2,26

2,73

3,50

3,83

0,50

0,77

1,11

Var%12m

0,86

1,39

2,43

3,28

3,13

3,50

3,83

3,67

3,66

4,26

INPC

2.611,85

2.614,72

2.614,20

2.618,380

2.629,64

2.640,68

2.657,05

2.670,07

2.681,28

2.693.0800

Var%mês

-0,07

0,11

-0,02

0,16

0,43

0,42

0,62

0,49

0,42

0,44

Var%a.a.

1,06

1,18

1,16

1,32

1,75

2,18

2,81

0,49

0,91

1,36

Var%12m

2,78

2,87

2,85

2,86

2,71

2,59

2,81

2,93

3,12

3,30

 Fontes: FGV; IBGE e SINDUSCON-PA.
Elaboração: Assessoria Econômica do SINDUSCON-PA.

2. CUB/M2: Custo da Construção (CUB/m2 – ABNT 12721/99) apresentou em março/07, desaceleração de -1,76%.

Tendo em vista a publicação da NBR 12.721, os Custos Unitários Básicos por metro quadrado de construção passaram a partir de fevereiro de 2007, a ser calculados a partir de novos padrões, e em conseqüência, de novos lotes de insumos. Essa atualização, invalida, portanto a comparação direta dos Custos Unitários obtidos a partir da NBR com aqueles obtidos com base na NBR vigente até janeiro de 2007 (NBR 12.721/1999)).

Com o objetivo de se obter a continuidade na evolução da série histórica dos custos unitários Básicos de Construção, no período de transição dessas duas Normas, também estão sendo divulgados os percentuais que espelham a variação do Custo Unitário Básico de Construção.

Às empresas e demais usuários dos Custos Unitários Básicos que tenham atualmente contratos reajustados pelo CUB, esclarecemos que consoante entendimentos da CBIC com a direção do INSS, ficou acordado que o referido Instituto de Previdência está ultimando novos procedimentos regulamentares para se adaptar ao novo CUB. Enquanto os trabalhos não estiverem concluídos, o INSS adotará o CUB anterior do mês de janeiro/07, com as variações para os meses posteriores, divulgadas pelo Sindusconpa. 

 

            Em Belém a variação do  Custo Unitário Básico de Construção (CUB) em março foi de -1,76 em relação a fevereiro, com base ainda  na norma 12.721/99 (CUB/99). Este resultado refletiu redução do grupo Materiais  e a estabilidade dos custos com a mão-de-obra, despesas administrativas e equipamentos. O CUB/m2  é calculado e divulgado mensalmente pelo Sinduscon-Pa, de acordo com a Lei 4.591/64.

            No ano ( janeiro a março), o referido indicador de custos de construção apresentou variação de -0,61%, ante 0,94% de aumento do INCC-DI e nos últimos 12 meses (  7,92%), ante 5,25% do INCC

            .

                       

            EEEs

Quadro2

 

Evolução Comparativa CUB NBR 12721/99x INCC-DI

Mês / Ano

CUB / R$

Var. Mensal%

Var. Anual %

INCC – Var. Mês

INCC – Var. Ano

Janeiro / 05

643,78

1,74

1,74

0,75

0,75

Fevereiro / 05

646,08

0,36

2,13

0,44

1,20

Março / 05

649,59

0,54

2,69

0,67

1,88

Abril / 05

652,79

0,49

3,19

0,72

2,62

Maio / 05

645,46

-0,12

2,04

2,09

4,76

Junho / 05

649,03

0,55

2,60

0,76

5,56

Julho / 05

655,15

0,94

3,57

0,11

5,67

Agosto / 05

660,08

0,75

4,35

0,02

5,69

Setembro / 05

678,40

2,78

7,24

0,24

5,94

Outubro / 05

683,84

0,80

6,10

0,19

6,15

Novembro / 05

684,14

0,04

8,15

0,28

6,45

Dezembro

684,50

0,05

8,21

0,37

6,84

Janeiro / 06

688,48

0,58

0,58

0,34

0,34

Fevereiro / 06

700,68

1,77

2,26

0,19

0,53

Março/06

701,17

0,07

2,44

0,20

0,74

Abril/06

706,75

0,80

3,25

0,36

1,10

Maio/06

707,54

0,19

3,37

1,32

2,43

Junho/06

708,54

0,14

3,51

0,90

3,36

Julho06

710,44

0,27

3,79

0,47

3,84

Agosto/06

725,13

2,07

5,94

0,24

4,09

Setembro/06

746,06

2,89

8,99

0,11

4,21

Outubro/06

737,37

-1,16

7,72

0,21

4,42

Novembro/06

765,97

3,88

7,72

11,77

4,66

Dezembro/06

761,34

-0,06

11,23

4,66

5,04

Janeiro/07

772,07

1,41

1,41

0,45

0,45

Fevereiro/07

770,21

-0,25

1,16

0,21

0,66

Março/07

--------

-1,76

-0,61

0,27

0,93

 Fontes: FGV e Assessoria Econômica Sindusconpa

 

 

 

 

 

 

 

CUB –  ( NBR 12.721/2006)

 

O Custo Unitário Básico de Construção (CUB/m2) – projeto padrão representativo (R-8) de Belém, apresentou em março/07, uma redução de -3,91% em relação ao mês de fevereiro/07. A referida variação foi a primeira calculada e divulgada de acordo com a nova NBR 12.721:2006 da ABNT, que normatiza o referido indicador de custos da construção e que entrou em vigor em 1º. De fevereiro de 2007. Assim sendo, a partir deste mês o custo da construção já está refletindo a variação ocorrida no âmbito dos novos projetos-padrões calculados.

Dentre as novas alterações ocorridas no CUB/m2  está a maior desagregação dos custos, que anteriormente se resumiam a material e mão-de-obra e, agora consideram material, mão-de-obra, despesas administrativas e equipamentos. Além disso os projetos-padrões são totalmente diferentes dos anteriores, incorporando novas tecnologias e materiais, ou seja incorporando as mudanças que tem ocorrido no processo construtivo da construção de edificações.

 

 

 

 

Custo Unitário básico em Belém – março de 2007

Projetos – Padrões Residenciais – R$/m2  e variação em relação a fevereiro/07

Padrão Baixo

 

Custo/m2

Var. %mês

R1

620,05

-5,77

PP-4

585,06

-4,24

R-8

557,55

-3,60

PIS

402,79

-4,34

 

Padrão Normal

 

Custo/m2

Var. % mês

R 1

739,98

-3,96

PP -4

695,09

-5,75

R 8

614,21

-3,91

R16

598,76

-4,00

 

Padrão Alto

 

Custo/m

Var. % mês

R   1

933,86

-4,43

R   8

760,51

-3,96

R 16

798,05

-4,47

 

 

 

 

 

 

Projetos –Padrões Comerciais – R$/m2 e Variação %

CAL ( Comercial andar Livre ) e CSL ( Comercial Salas e Lojas

Padrão Normal

 

Custo/m2

Var. % mês

CAL 8

708,67

-5,23

CSL 8

604,21

-4,51

CSL 16

811,33

-4,35

 

CAL (Comercial e andar Livre) e CSL (Comercial Salas e Lojas)

Padrão Alto

 

Custo/m2

Var. % mês

Cal 8

769,99

-5,25

CSL 16

667,57

-4,65

CSL 16

895,88

-4,31

 

Projetos – Padrão Galpão Industrial (GI) e Residência Popular (RP1Q) – R$/m2  

 

 

Custo/m2

Var. mês

GI

589,61

-0,99

RP1Q

340,47

-0,65

 

 

 

Emprego

 

No conjunto do emprego formal do Estado do Pará as admissões liquidas (admissões-desligamentos), registraram no mês de fevereiro  um saldo positivo de 2.378 empregos formais, com variação positiva de 0,53% em relação ao mês de janeiro/07. No biênio janeiro a fevereiro/07, as admissões liquidas totalizaram  2.083 postos de trabalho formais, com variação de 0,47% em relação a igual período do ano imediatamente anterior. Em doze meses (março/06 a fevereiro/07), verifica-se um saldo liquido de 18.286 empregos com carteira assinada, com variação de 4,49% em relação ao periodo anterior (março/2005 a fevereiro/06)

Analisando-se  por gênero de atividade no decorrer do ano, verifica-se que tiveram saldo  liquido  positivo os Serviços  com 1.944 , o Comércio com 697 e o Extrativismo Mineral com 367.  Apresentaram  saldo negativo  nas admissões  líquidas, a Industria de Transformação (-710), Administração pública (-231) e a Construção Civil (-102).

Em doze meses, praticamente todos os gêneros de atividade tiveram saldo liquido positivo nos empregos formais, a exceção da Administração Pública (-152) e Agricultura e Silvicultura (-27)

Estado do Pará

Evolução do Emprego Formal por Subsetor de Atividade Econômica

Saldos (Admissão-Desligamentos)

Mês: Fevereiro/07

Setores

Saldo no mês

Var. %

(1)

Saldo no ano

Var.%

(2)

Saldo em 12 meses

Var. %

(3)

Ext. Mineral

240

3,19

367

4,97

1.791

31,16

Ind. Transformação

-232

0,24

-710

-0,72

3.748

4,05

Serv. Ind. Útil. Pública

53

0,81

-47

-0,70

22

0,35

Construção Civil

283

0,90

-102

-0,32

4.317

17,93

Comércio

897

0,76

697

0,59

7.412

6,86

Serviços

1.424

0,89

1.944

1,21

7.283

5,04

Adm. Pública

16

0,28

-231

-3,82

-152

-,86

Agric. Silvicultura

-13

-0,09

125

0,51

-27

 -,0,11

 

Total

2.378

0,53

2.083

0,47

18.286

4,49

Fonte: M T E – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados.

(1)   Fevereiro/07 em relação janeiro/07

(2)   Janeiro a fevereiro/07 em relação a janeiro e fevereiro/06

(3)   Março/06 a fevereiro/07 em relação a março/05 e fevereiro/06

 

 

 

 

Estado do Pará

Estoque do Emprego FormaL da Construção Civil

Periodo: Janeiro a Julho/2006

Mês

Nº de empregados

Var. mês

Var. ano

Var. 12 meses

Var. % mês

Var. % ano

Var. % 12 mês.

Jan.

31.974

-287

-287

3.153

-0,89

-0,89

10,94

Fev

32.239

265

-22

4.136

0,83

-0,07

15,46

Mar

31.353

-886

-908

3.792

-2,75

-2,81

13,76

Abr

30.605

-748

-.656

2.893

-2,39

-5,13

10,44

Mai

30.987

382

-1.274

2.943

1,25

-3,95

10,49

Junho

31.901

914

-360

2,95

-1,12

-1,12

11,36

Jul

33.620

1,719

1.359

3.871

5,39

4,21

13,01

Fonte: M T E

 

Custo